Inspiradicas: dois filmes inspirados nas obras de Fredérico Moccia.

Auuuuuuuuuu, auuuuuuu! Voltei a uivar por esses lados da floresta, minha gente!

Como estão? Como vão? Sumi e reapareci cheia de novidades.

Vim compartilhar dois filmes de romance adolescente que são inspirados em livros Young Adults que fazem parte da minha lista no Skoob. Sabe, aqueles que a gente assiste sozinha e fica com os olhos brilhando feito bobas? Vem ver.

  • Paixão Sem Limites (3MSC)

3 metros sobre el cielo

Paixão Sem Limites (Tres Metros Sobre El Cielo) é um romance/drama adolescente inspirado na obra literária de nome homônimo do autor Fredérico Moccia, lançado em 2010 e se tornou o filme de maior bilheteria do ano na Espanha.

O filme acompanha o drama de um jovem motoqueiro, Hache/H, que está atravessando um momento complicado na família e buscando sua identidade pessoal. Quando ele conhece Babi, uma moça de família conservadora e de classe social alta, as coisas mudam completamente em sua vida.

H gosta de viver a vida perigosamente e faz parte de uma turma de jovens rebeldes que apostam corridas ilegais, enquanto Babi é uma jovem educada a luz de princípios rígidos. Já deu para perceber que um romance entre esses dois seria improvável, certo? Contudo, o coração é terra incerta e traiçoeira, como a gente bem sabe, e os dois acabam por se apaixonar. Juntos descobrem novas perspectivas do mundo ao seu redor e lutam contra preconceitos e contra todos os os obstáculos para permanecerem juntos.

Descobri o filme por acaso e foi amor a primeira vista. Embora seja clichê, um romance entre dois jovens de classes sociais desiguais, Tres Metros Sobre El Cielo conta com a atmosfera de aventura e o choque entre duas personalidades adolescentes extremamente opostas, o que gera humor e aproximação pelo enredo. Além do mais, ver dois jovens saírem de sua zona de conforto para enfrentar novos desafios sociais nos faz voltar a época em que éramos adolescentes e seguíamos contra tudo e todos em busca de uma chance de sermos aceitos e felizes.

Sem falar nas relações familiares e de amizades que são bastante presentes e fortes na construção da trama. Como a amizade de H com Pollo e a de Babi com Katina, por exemplo. Amizades que atravessam tempestades e que nos fazem lembrar o sentido de ser amigo. Uma curiosidade é que a química entre os personagens principais foi tão absurda que os atores, Mario Casas e María Valverde, engataram um romance na vida real.

  • Sou Louco Por Você

245px-Tengo_ganas_de_tiSou louco por você (Tengo Ganas de Ti), por sinal, é a continuação de Tres Metros Sobre El Cielo, lançado na Espanha em 2012. O longa também é uma adaptação da obra De Frederico Moccia e dá continuidade a história de Babi e Hache.

Decorridos três anos após a separação do casal, Hache retorna à Espanha com Babi ainda em seu coração, apesar de a moça já estar em outro relacionamento. O retorno de H não traz só lembranças à tona, como também velhos hábitos e uma misteriosa garota, Gim, que parece já conhece-lo. Enquanto H se reconecta com as pessoas de seu passado, inicia um romance incerto com Gim.

Diferente de seu primeiro amor, Gim é uma mulher geniosa, espontânea, cheia de sorrisos, com talentos excepcionais e parece ser a grande chance de H tirar Babi de vez da cabeça. No entanto, parece. Veja bem.
Diante de mudanças e do crescimentos dos personagens, novos desafios são enfrentados, como as relações entre mãe e filho ou entre irmãs/irmãos, que se fazem presente ao longo da trama e nos deixam com os olhos vazando, diga-se de passagem. Outro ponto forte é resolução dos conflitos que ficaram abertos na trama anterior e as consequências que essas resoluções podem acarretar. Bônus para a trilha sonora também! Xiiii, posso dizer mais nada sem revelar SPOILER.

tengo-ganas-de-ti01_ampliacion

Minha gente, quase surtei ao descobrir que Tres Metros Sobre El Cielo tinha continuação e não tardei a conferir. Devo dizer que foi igualmente apaixonante acompanhar os personagens, embora tenha ficado com o gostinho amargo de inacabado na boca (não posso explicar mais sem mencionar spoiler). Por outro lado, a personagem Gim foi uma surpresa muito agradável. É uma mulher forte, atrevida e que não se deixa ser diminuída.
Ah! O filme também foi sucesso de bilheteria.

Lobas e lobos, super indico os filmes. Sem dúvidas, eles são mais do que minhas palavras poderiam interpretar. Tem muito romance, mas não se trata apenas disso. Trata-se de escolhas e de como a vida pinta seu próprio curso. E outras, os livros são obrigatórios para quem gosta de romance e da pegada Young Adults. Vou ficando por aqui e até o próximo Inspiradicas. Não deixem de me contar o que acharam, ok?

Beijos, beijos a loba da vez.

Inspiradicas: 3 bandas de indie rock que não paro de ouvir!

Boa noite, alcateia selvagem!

“Muito bom estar com vocês, brincar com vocês”… Senti falta, minha gente! Mais uma vez, tive que me ausentar da blogosfera e, provavelmente, teria de me ausentar ainda mais vezes por motivo de saúde. Semana passada comentei que estava indo na Nutri e agora fui a outros dois médicos diferentes. Não tive muitas notícias boas e estou entrando em uma nova dieta (terrível, diga-se de passagem) e em um novo tratamento. Pretendo falar mais e esclarecer algumas coisas que descobri acerca de alimentação e de cuidados no Ciranda dos alimentos aqui no blog. Mas isso é conversa para outro dia…

Hoje vim falar foi de coisa boa: música! No meio de todo aquele ar para baixo, é sempre bom contar com uma inspiração para levantar o ânimo, né?

Costumo dizer que sou movida a música e quem não é? Amo escutar música, para relaxar, descontrair, se divertir… Não posso negar que minhas raízes são roqueiras e pesadas. Mas de lá pra cá me tornei muito eclética e vim compartilhar três bandas sucesso que não consigo parar de ouvir.

  • Foster The People 

tumblr_lrcaeeX4wu1qlzndso1_500_large

Foster the People foi montada por Mark Foster em outubro de 2009, em Los Angeles, após Foster escrever a canção, “Pumped Up Kicks”, que se tornou um viral na internet em 2010. A canção fez tanto sucesso que chamou a atenção da gravadora Columbia Records, com quem a banda assinou contrato e lançou o primeiro álbum, Torches, em 2011.

Embora seja relativamente nova e não tão conhecida, Foster the People sem dúvidas tem um som singular, que mescla muitos gêneros musicais, vários instrumentos e um espírito selvagem. Suas batidas são divertidas, alegres e carregam certo charme de músicas antigas. Dá até para arriscar uns passinhos gozados.

  1. Foster The People – Pumped Up Kicks:   
  2. Foster The People – Best Friend:        
  3. Foster The People – Coming of Age:    
  • The Neihgbourhood

p-neighbourhood

The Neihgbourhood é uma banda de rock independente, formada em agosto de 2011, na Califórnia, composta pelo vocalista Jesse Rutherford, os guitarristas Jeremy Freedman e Zach Abels, o baixista Mikey Margott e o baterista Brandon Fried. Geralmente a banda é conhecida por “The NHBD”.

Quando escutei The NHBD pela primeira vez, foi impossível não me lembrar de Foster The People, apenas pelo som pop similar e presente entre as batidas de rock. Contudo, sem dúvida, a banda tem muito mais de rock do que de pop ou outros gêneros musicais. Daí você deve está imaginando que eu estou falando de um rock pesado, não! Pelo contrário, a banda mescla um rock de pegada com um rock mais lento e assim equilibra e torna suas músicas muito agradáveis. Dá aquela vontade de pegar o carro e sair dirigindo por aí.

  1. The Neighbourhood – Sweater Weather:   
  2. The Neighbourhood – Flawless:   
  3. The Neighbourhood – Let It Go: 
  • Broods

broods

Broods é um duo de música da Nova Zelândia formado em 2013, composto por Georgia Nott nos vocais e pelo seu irmão mais velho Caleb Nott na produção, nos instrumentos e nos backing vocals. Lançaram o primeiro single ” Bridges “, que ocupou a 8º posição nas paradas da Nova Zelândia, e acabaram por assinar com a Capitol e Polydor Records. Recentemente, lançaram seu EP de estreia, Broods , em 30 de Janeiro de 2014, que foi seguido por um álbum completo, Evergreen , em 22 de agosto de 2014.

Eles estão em inicio de carreira pública, mas o primeiro EP já é um sinal de que eles ainda tem muito para contribuir com a cultura da música. Escutei primeiro duas canções e me apaixonei pela leveza e força da voz da Georgia. Logo, estava escutando o álbum, Evergreen, inteiro e gamando nas músicas e nas batidas leves que guardam lembranças de um pop gostoso. Não consigo parar de cantar as músicas, minha gente.

  1. Broods – Bridges:  
  2. Broods – Never Gonna Change:   
  3. Broods – Mother & Father:   

*Obs: todas as imagens foram retiradas da internet.

Hoje apresento três bandas, mas não desanima que o post vai ter continuação e tem mais música vindo por aí.

Espero que tenham gostado e não deixem de me contar se já conheciam ou o que acharam. Uma ótima semana para todos nós e muita positividade! Eu vou ficando por aqui por conta do repouso que tenho que ter.

Beijos, beijos a loba da vez.

Inspiradicas: 4 Séries originais da Netflix!

Auuuu, minha gente! Hoje é sexta-feira e quero saber de vocês: é só eu ou todo mundo pensa naquela música (hoje é sexta-feira, dia de cerveja) do cantor Leonardo quando a sexta chega?

Todas as vezes que me sinto alegre em estar desfrutando de uma sexta-feira me lembro dessa música automaticamente. É como um script programado, sei lá. Loucura, né? Enfim, final de semana está batendo a nossa porta e com vontade de ficar um pouquinho mais e ai a gente faz o que? Viaja, pega um cinema, descola aquela festa. As opções são grandes e quem dera meu bolso fosse tão grande quanto. E é por isso que no Inspiradicas de hoje vim falar sobre quatros séries da Netflix para aproveitar o feriadão no sofá. Quem disse que o sofá não tem o seu charme, eim?

Sou viciada em séries e filmes, não posso negar. Gosto de tudo um pouco. Drama, fantasia, ação, comédia, romance, ficção científica… Mas para compor a singela lista de hoje, escolhi quatro séries originais da Netflix que comecei a assistir recentemente e já estou viciada.

  • Demolidor/Daredevil

“Matthew Michael Murdock (Charlie Cox) é um jovem atleta e excelente aluno. Ainda na adolescência, um acidente envolvendo um caminhão que carregava lixos tóxicos o deixou cego e fez com que ele desenvolvesse vários sentidos. Quando Matt decide vestir o uniforme e adotar o nome “Demolidor” (Daredevil), leva uma vida dupla: é advogado durante o dia, e, à noite, protege as ruas de Hell’s Kitchen, seu bairro em Nova York.”

Olha aí a minha exceção quanto as produções da Marvel. Já havia visto muita gente falar, mas nunca tinha de fato me interessado pela série. Até que meu primo me apresentou ao primeiro capítulo e nós assistimos o segundo, o terceiro e por aí foi… Na boa, eu comecei a assistir com um pé atrás, temendo que a adaptação da Marvel transformasse minha história favorita de justiceiro numa comédia negra sem fim. Mas, quem diria que a parceria com a Netflix se sairia tão bem? Eu não. Mas ó se saiu.

É uma série até realista para as produções da Marvel que entrelaça ação, mistério e um lado sombrio acerca da história de Matt Murdock. Estrela para as cenas de ação e as de luta corporal.

  • Sense 8

Imagem retirada da internet.

Imagem retirada da internet.

“Sense8 é uma série norte-americana de ficção dramática dirigida, escrita e produzida por Andy e Lana Wachowski e por J. Michael Straczynski que conta a história de oito estranhos: Will Gorski, Riley Blue, Capheus “Van Damme”, Sun Bak, Lito Rodriguez, Kala Dandekar, Wolfgang Bogdanow e Nomi Marks.”

Série de ficção que retrata a vida de oito jovens que estão interligados por poderes e forças sobre-humanas em comum. A série traz diversas temáticas como choque de culturas, relações homossexuais, transtornos sociais e familiares e, principalmente, o envolvimento misterioso e inconsciente entre todos os oito jovens.

É uma série original e relativamente nova que estreou na Netflix com bastante burburinho e muita audiência. Não posso negar a minha irresistível vontade de contar um pouquinho mais da trama arredia que te deixa super curiosa e tentada a descobrir do que realmente se trata o grande mistério que já é explorado a partir do primeiro episódio. Fica de olhos atentos para ligar os pontinhos e não correr o risco de não entender!

  • Orange Is The New Black:

    orange-new-black-season-3-thatgrapejuice

“Série de drama/comédia inspirada no livro de Piper Kerman, “Orange Is the New Black: My Year in a Women’s Prison”, onde temos as vivências e peripécias de Piper em uma prisão americana. Na trama, a personagem principal, Chapmam, como é chama pelas companheiras de cela, deve passar 15 meses em cárcere fechado devido a sua atuação como burro de carga de drogas para a ex-namorada, Alex.”

Ora como não se interessar pelo cenário? Ainda mais sendo numa perspectiva feminina? Acompanhar diversas mulheres de variadas etnias e com variados problemas/obstáculos/vícios mentais/físicos tentarem conviver num ambiente hostil como uma cadeia é no mínimo muito instigador. Sem falar nos personagens que não estou enquadrados, mas que compõem o time de uma prisão. Sem dúvidas, tem todo tipo de gente entre esses personagens.

O cenário e a possibilidade de tramas que poderiam se desenvolver na ideia de Orange Is The New Black sempre me deixaram inquieta para assistir a série. Contudo, sempre adiava, unicamente pelo motivo de que já haviam muitas séries na minha lista. Um certo dia, decide colocar para rolar na Tv e não larguei nunca mais. Prepare-se para lágrimas, risadas, choques de realidade e identidades femininas.

  • Grace and Frankie:

    série 1

“Grace (Jane Fonda) e Frankie (Lily Tomlin) estão encarando a temida “3ª idade”, mas não da forma que imaginavam. Quando os seus respectivos maridos revelam que estão apaixonados um pelo outro, e planejam se casar, a vida delas é virada de cabeça para baixo. Agora, elas estão ligadas eternamente por esse acontecimento e, já rivais, descobrirão que podem ter que tomar conta uma da outra.”

Ta aí uma série bem-humorada que trata do tema mulher. Espera, não é só isso. Trata do tema mulher na terceira idade. É, a terceira idade é a bola da vez e veio com tudo para derrubar muitos tabus que ainda existem e persistem na nossa sociedade.

Uma ótima aposta que traz à tona várias sensações/fases/descobertas da mulher num processo complicado e intimo que é a chegada da velhice. Mas quem foi que disse que era só para gente de mais idade? Não, amigo. As situações retratadas são fáceis de serem aplicadas a qualquer idade da vida feminina. Eu mesma me identifiquei em vários momentos e ri muito enquanto dizia: é assim mesmo. Vale a dica!

*Obs: todas as imagens foram retiradas da internet.

Gente, essa foi uma listinha pequena, ainda quero falar de muitas séries por aqui e quero saber o que vocês acham/acharam. Um final de semana ótimos para nós e nos vemos, ou melhor, nos teclamos mais um pouquinho amanhã.

Beijos, beijos a loba da vez.

Inspiradicas: BOHO, GYPSY E FOLK: MODA!

Auuuuuuuuu, lobas! No Inspiradicas de hoje resolvi falar sobre um assunto que eu não sou nada mestra: moda. Toda mulher gosta de moda, certo? Mas seria errado dizer que nem todas são antenadas ou seguem à risca todas as tendências que aparecem? Não. Eu sou uma dessas pessoas e é por isso que não sou mestra em moda.

Ora, tenho meu estilo, embora não saiba definir exatamente qual é. Sou muito eclética e gosto de tudo um pouco, mas não sou tão ligada assim na moda a ponto de comprar tudo que é tendência. Não. Só compro e visto o que gosto. Enforquem-me!

Brincadeiras a parte, vim falar de moda porque existem três estilos/tendências que estão dando o que falar. E eu sempre fui amante deles, antes de saber que eles eram nomeados assim pelo universo da moda. Vamos conhecer mais um pouquinho?

Imagens coletadas na internet: google.

Imagens coletadas na internet: google.

Reza a lenda que as diferenças entre os estilos são as suas distintas originalidades e heranças.

Por exemplo, Gypsy, é palavra que vem do inglês e significa cigano. Ora, a gente bem sabe, que os ciganos tem uma pegada mais nômade e são repletos de cores vivas (sem falar nos verdadeiros artesanatos que algumas peças carregam). A atriz/cantora Vanessa Hudgens adotou o estilo de uns tempos para cá e é a celebridade ícone da moda quando se fala em peças ciganas.

Folk também vem do inglês e significa povos. Pegando emprestando a inspiração da música, folk reflete um estilo mais folclórico e portanto está cheios de estampas, peças rústicas e artesanais.

Imagem retirada da internet: google.

Imagem retirada da internet: google.

Já o Boho é algo mais selecionado e afrancesado como o próprio nome indica: é chic. E num é que tem até um movimento para ele: “bohemian of soho”, movimento francês da década de 20, no qual um grupo de intelectuais acreditava na simbiose da moda e da arte.

Mas vamos combinar que são parecidos, certo?
Pois é, roupas estampadas, leves, fluidas e com uma pegada bem cigana estão enchendo os guarda-roupas do mundo a fora. Mas não para por aí. Temos franjas, saias longas, arco-íris nos tecidos, rasteiras e muita mais muita pedraria nos acessórios. Não é a toa que todo mundo está conhecendo um pouquinho mais acerca de cada pedra brilhoso, como o quartzo ou a ametista, que enfeitam muitos cordões artesanais e são opções certas para esses estilos.

Fotografia: Alan Dawe. Projeto: Not So Dirty Hippies.

Fotografia: Alan Dawe. Projeto: Not So Dirty Hippies.

Sabe aquele estilo mais largado, que te deixa vários quilos mais magras na alma e super confortável? Pois tá aí. É esse estilo de desapego que está fazendo a cabeça das pessoas. Costumo dizer que eu sempre fui meio desapegada na moda, então, desde sempre me identifico com esse estilo que até tempos atrás eu chamava de cigano ou indiano.

Meus olhos sempre amaram arte e moda juntas. Imagina como eu fico olhando essas peças que imprimem arte nos tecidos? Louca, né.

Também sou fã de feirinhas e gosto de todas que tem essa pegada mais artesanal e leve (sem falar que o precinho é bacana, né?). Sempre trago algo comigo. Olha só um pouquinho das minhas singelas aquisições:

Vestidos florais, ciganos e indianos e sandálias de couro, tudo vindo das feirinhas. E minha pedrinha ametista, que é ótima energia para os chakras, e a mente, adquirida na beira da estrada.

Vestidos florais, ciganos e indianos e sandálias de couro, tudo vindo das feirinhas. E minha pedrinha ametista, que é ótima energia para os chakras e para a mente, adquirida na beira da estrada.

Esse foi o post de hoje, minha gente. Já disse e repito não sou seguidora da moda, como a gente vê em desfiles e revistas, embora seja admiradora, mas acredito que cada um é livre para criar a sua própria moda. Então, é isso. Vamos deixar de lado os pensares e dizeres das outras pessoas e vamos nos importar com o que a gente se sente bem, por mais que seja uma tarefa extremamente difícil, tendo em vista a sociedade que a gente vive hoje, né?

Até a próxima!

Beijos, beijos a loba da vez.